26/02/2024 às 17h23min - Atualizada em 27/02/2024 às 10h36min

Você sabe a diferença entre o pernilongo e o mosquito da dengue?

Médico-veterinário explica que, além das características físicas, a muriçoca e o aedes aegypti se comportam de formas distintas

Daniela Nucci
Divulgação

Em meio a explosão de casos de dengue, onde a cada cinco criadouros do mosquito, quatro estão no interior das casas, a identificação correta dos mosquitos transmissores é essencial para o combate eficaz da doença. Muitas pessoas ainda confundem os pernilongos normais com o Aedes aegypti, o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya.

De acordo com o médico-veterinário e diretor da Faculdade Qualittas, Francis Flosi, é crucial compreender que o mosquito da dengue e o pernilongo pertencem a famílias diferentes: o Aedes aegypti e o Culex quinquefasciatus, respectivamente. Suas características físicas e hábitos de voo são distintos e facilmente identificáveis.

Flosi enfatiza que, enquanto o pernilongo possui uma coloração uniforme marrom e voa de forma lenta e ruidosa, o Aedes aegypti tem o corpo preto com listras brancas e voa de maneira mais veloz e silenciosa, preferencialmente atacando das 9h às 13h. Os pernilongos, por sua vez, são mais ativos à noite, a partir das 18h.

Além disso, as picadas também apresentam diferenças significativas. "O pernilongo deixa um pequeno calombo avermelhado que provoca coceira, enquanto o mosquito da dengue não deixa marcas nem causa coceira na picada", ressalta o médico-veterinário. É importante lembrar que o Aedes aegypti também é vetor da febre chikungunya, febre amarela e zika vírus.

"Ambos mosquitos depositam ovos em água parada, mas o mosquito da dengue prefere água limpa e deposita os ovos em diferentes locais, individualmente, enquanto o pernilongo coloca seus ovos em forma de jangada em água suja e poluída", explica o especialista.

Outro ponto relevante é com relação às picadas. 

“Nem todos os pernilongos picam os seres humanos, apenas as fêmeas precisam de sangue para sua reprodução. Os pernilongos são atraídos por dióxido de carbono, calor e umidade, além de odores corporais e de perfumes”, diz Flosi. 

A correta identificação e o conhecimento dessas diferenças são fundamentais para a prevenção e combate eficaz da dengue e outras doenças transmitidas por mosquitos. Adote medidas preventivas em sua casa e comunidade para proteger a saúde de todos!

Dados históricos 

Campinas encerrou 2023 com a 6ª maior epidemia desde 1998, início da série histórica monitorada pela prefeitura. A última atualização da Secretaria de Saúde indica 10.898 infectados e três óbitos, números próximos ao do ano anterior, quando a metrópole teve 11.259 casos confirmados. O recorde é de 2015, quando a cidade registrou 65,6 mil moradores com a doença e 15 mortes

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://canaldautopia.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp